Be Indie With Me

Não sendo uma grande cinéfila, gosto de cinema. Já passei por várias fases: a do cinema mudo (que adoro!), a dos clássicos e -a mais duradoura- a de Hitchcock, o meu realizador favorito. Recentemente, tenho tido vontade de assistir a coisas mais leves sem apanhar uma overdose de Blockbusters. É difícil, mas possível. Raramente vejo uma comédia romântica produzida por um dos grandes estúdios, mas vejo, sem sentir que me estão a morrer neurónios, comédias românticas indie. Decidi, por isso, iniciar uma rubrica semanal, dedicada a sugerir filmes indie de qualquer género que acho que valem a pena ver. Para quem não sabe, indie é a abreviação de independent e serve para designar os filmes de baixo orçamento, produzidos com financiamento próprio. Têm, muitas vezes, temas pouco apelativos ao público que consome maioritariamente Blockbusters, não existem efeitos especiais extraordinários e são mais centrados nos personagens e na história que no espetáculo da cinematografia. São, basicamente, filmes pouco conhecidos que quero dar a conhecer. Sem mais demoras, o filme de hoje: 


TÍTULO: What If/The F Word (lançado com ambos os títulos) 


GÉNERO: Comédia, Romance


COM: Daniel Radcliffe e Zoe Kazan 


RAZÕES PARA ADORAR: Sou só eu a não ter paciência para as comédias românticas comuns? Mais de metade começa com um homem a acordar todas as manhãs com uma rapariga diferente na cama (há também o detalhe giro de raramente se lembrar do nome dela), até que um dia conhece a protagonista e transforma-se no namorado perfeito. Acho idiota, irreal, e não percebo porque raio tantos argumentistas acham que é uma boa ideia insistir nesta mensagem completamente enganosa. Esta não é uma dessas histórias. É a história do Wallace e da Chantry que se conhecem quando ela está numa relação e, apesar do óbvio interesse mútuo, decidem ser amigos. Spoiler alert: não funcionou. A parte bonita é que tudo isto é tratado de maneira diferente das comédias românticas comuns, e isso faz com que se destaque de uma forma muito positiva. Parte de uma ideia simples e o final é previsível (é, afinal, uma comédia romântica), mas tem bons diálogos, cenas bonitas e momentos genuinamente divertidos. A única parte chata é que o Daniel Radcliffe passa o filme apaixonado por uma pessoa que não sou eu, mas não se pode ter tudo. Podem ver o trailer aqui.





30 comentários

  1. Bem, eu tenho uma birra monumental com o Radcliffe. Não lhe acho a mínima piada, acho-o totalmente a versão feminina da menina do Twilight. Mas sabendo que é uma birra muito pessoal, sei apreciar algumas coisas que ele faz. Como este filme, fofinho que só ele!
    Boa escolha para primeira dica!
    Fico a aguardar pelas próximas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahah, percebo o que dizes. Mas eu também gosto da Kristen Stewart, acho muita piada ao heroin chic e acho que ela é, a seguir à Kate Moss, a personificação perfeita desse estilo.

      Eliminar
  2. nao conheço mas fiquei curiosa :D

    www.omeumundoaleatorio.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  3. Já tinha ouvido falar do filme mas nunca tinha visto o trailer! E claramente vou querer ver, tem o Daniel.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah, haja alguém que percebe que o moço vale ouro!

      Eliminar
  4. Já viste este filme e adorei! Escusado seja dizer que o papel do Adam Driver encheu o meu coração!
    THE PINK ELEPHANT SHOE | FACEBOOK | INSTAGRAM |

    ResponderEliminar
  5. E eu que andava à procura dum filme fofinho para ver... obrigada por me facilitares a tarefa =P

    ResponderEliminar
  6. Humm parece-me bem, tenho de ver!
    Eu também não tenho muita paciência para a maior parte...Mas gosto das comedias romanticas francesas, são as minhas preferidas Bjs*

    ResponderEliminar
  7. Fiquei curiosa para ver o filme :) Ainda tenho muitos clássicos para ver na lista, mas os filmes indie têm um encanto especial. O Daniel Radcliffe é que não é propriamente o meu herói de eleição, não lhe consigo associar outras personagens para além do Harry Potter!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também achava que não conseguia vê-lo como outro personagem, mas depois deste filme e do Kill Your Darlings mudei de opinião :)

      Eliminar
  8. Eu também não gosto das típicas comédias românticas, nem me lembro da última vez que vi uma. Neste momento, ando virada para os clássicos! E, tal como tu, gosto de descobrir filmes que não são aclamados pela crítica e que pouca gente conhece. Por norma, tornam-se sempre nos meus preferidos! Apesar deste filme que sugeres ser comédia romântica, acho que poderei gostar. Vou vê-lo no fim-de-semana :)

    ResponderEliminar
  9. Eu sendo uma indie pessoa ( lol ), acho que tenho de ver esse filme.

    ResponderEliminar
  10. e onde viste o filme? Agora agradou-me

    ResponderEliminar
  11. Não conhecia e depois de ler o que escreveste e de ver o trailer fiquei com muita vontade em ver ;) vou adorar esta nova abordagem no teu blog ;)
    Beijinhos
    elisaumarapariganormal.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  12. Ahhh não podia concordar mais com o que disseste no primeiro ponto de "razões para adorar". As comédia românticas são de longe alguns dos filmes que mais me irritam, sobretudo por serem das coisas mais irreais que existem. E penso que a maioria das que vejo é mesmo quando estou muito aborrecida e basicamente qualquer coisa serve para passar o tempo. E elas ainda podiam ter temas diversificados não é? Mas é sempre a mesma coisa e isso chateia.

    Este filme foi uma alegre surpresa. É uma das minhas comédias românticas favoritas, e para tal tinha mesmo de ser indie. Há filmes neste género que são muito bons; é uma pena terem pouca visibilidade. Eu queria incluir nesta lista o (500) Days of Summer, porque ele começou como um filme indie, mas depois como foi destribuído pela Fox Searchlight, não acredito que continue ainda nessa categoria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu geralmente não tenho problema com filmes de romance irreais, estilo filme da Disney, Titanic (amor eterno em três dias!) e etc. Pelo contrário, até gosto, são reconfortantes e fazem sonhar. O que me chateia é mesmo aquele tema específico das comédias românticas, o gajo que é um cabrão até conhecer a "pessoa certa".

      Não sou fã do (500) Days of Summer. Consigo perceber porque tanta gente gosta, só não senti aquela conexão com o filme.

      Eliminar
  13. Parece um filme interessante! Não sou muito de filmes, quanto muito séries e animes, mas tenho de ver :)

    ResponderEliminar
  14. Não conhecia o tipo de estilo a que estava associado quando o vi, mas o facto é que ADOREI e superou as minhas expectativas.
    Estou ansiosa para ver qual o próximo filme que irás apresentar na rubrica!!

    ResponderEliminar
  15. Vi hoje e adorei! Obrigada pela dica =)

    ResponderEliminar
  16. O que a minha experiência enquanto admirador da 7ª arte me ensinou é que as maiores pérolas cinematográficas a que assisti foram presenteadas pela TVCine. Não que eu não goste de ir ao cinema, porque adoro, mas porque uma parte dos filmes que se encontram em exibição nas salas nacionais tendem a desiludir-me. Isto é o que acontece quando as campanhas de publicidade e de marketing superam a qualidade intrínseca do filme.

    Sei que após isto que vou dizer vou ser julgado - qual Maria Madalena- mas o caso mais recente foi o "The Revenant". Como tenho hábito de não assistir aos filmes que estão nomeados antes da cerimónia dos Oscars resolvi quebrar essa tradição e tentar ser surpreendido, uma vez que tanto se escrevia sobre o aclamado Oscar. Pois bem, se o filme tiver mais do que 2 páginas de diálogo é uma sorte. Efetivamente, tem paisagens de lugares inóspitos capazes de cortar a respiração assim como planos de imagem estupendos, mas ficou muito aquém das minhas expetativas. Para além disso, cometi o crime de assistir à sessão da meia-noite. Dado que já estou habituado a ficar desiludido com alguns filmes que andam pelas bocas do mundo durante meses, este já não caiu muito mal no estômago.

    Assim sendo, devo ser daquelas pessoas que consome mais indie movies que o normal. Consequentemente, quando me perguntam o que achei das masterpieces premiadas pela Academia um silêncio ensurdecedor irrompe-se da minha boca. Normalmente acabo por vê-las, mas muito depois de saírem da ribalta.

    Escusado será dizer que tenho uma panca descomunal por filmes narrados em francês ou por filmes que decorram nos subúrbios das Terras de Sua Majestade.

    Não tenho por hábito recomendar filmes a pessoas, não só pelo motivo mais que evidente mencionado anteriormente mas também porque gostos cinematográficos são difíceis de se agradar. Não que eu não consuma clássicos, porque são obras de renome incontestável, mas já estou habituado a descobrir e a ficar maravilhado com algumas obras que pouca gente conhece e que nem têm uma classificação no IMDb estonteante.

    Contudo, vou arriscar e vou indicar-te o "The Angels’ Share" (um dos últimos indie movies que me lembro assim por alto) sabendo eu de antemão que te afirmas uma "princesinha" no que concerne à área do cinema, acho que estou a entrar por caminhos perigosos :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A mim, foi o agora extinto TCM que fez gostar de cinema. Porque de facto não podemos esperar ir a um cinema da NOS e ver um filme fora do circuito mainstream (pelo contrário, a UCI e a Medeia costumam ter boas surpresas - na semana passada vi na UCI um filme francês que adorei).

      Não estás sozinho, também não gostei do The Revenant, fiz até um post sobre isso na altura. E tens razão, The Angels' Share não é bem aquilo que costumo ver, mas vou dar-lhe uma oportunidade :)

      Eliminar
  17. Já vi este filme e gostei imenso!! Confesso que gosto daqueles romances bem lamechas tipo Diário da Nossa Paixão-Love Actually-The Holiday-A Melodia do Adeus tudo junto mas gosto bastante de descobrir outro tipo de "romances" que fujam a este tão batido tema!
    Adorei o blog - aliás, decidi seguir depois de te stalkar por uns bons 15 minutos - e estou ansiosa por mais posts desta rúbrica porque gosto imenso de cinema e filmes!
    Grande beijinho,
    Madalena

    www.maadalenaaa.blogspot.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sempre gostei do Love Actually, acho que dentro do género consegue ser um bocadinho diferente, e é um filme feliz. Aquela cena final das pessoas que se encontram e abraçam no aeroporto é amorosa =)

      Ohh, que comentário tão querido! Esta semana não calhou, mas prometo que na próxima há um novo post desta rubrica. Beijinhos!

      Eliminar

© Kill Your Barbies. Design by Fearne.