O paradoxo da nudez feminina



Quando tento definir uma opinião sobre a exposição de nudez em diferentes situações, acabo por embater num mesmo paradoxo. O corpo humano nu é uma coisa natural e acho que não deve ser conceptualizado como algo a ser escondido. Mas, por outro lado, é um facto que a figura feminina é extremamente objetificada e fetichizada nas sociedades em que vivemos e que, na maioria dos contextos, uma mulher nua é alvo de uma apreciação sensual. Por virtude deste paradoxo dou por mim a concordar com algumas formas de exposição e a apresentar certas reservas face a outras. Sou uma defensora da amamentação em público (e sem paninho a esconder), mas não sou favorável a revistas masculinas de nudez explícita em que a mulher, embora tendo decidido de livre vontade ser fotografada, é sujeita às preferências do olhar masculino. Em certos casos, ambas dimensões do paradoxo concorrem para formar a minha conduta em determinada situação - por exemplo, apesar de não encarar o topless na praia como uma coisa sensual, sei que, caso o fizesse, seria alvo de olhares indesejados. Por essa razão, não me sinto à vontade para dispensar o top do bikini (pelo menos em praias muito frequentadas).


O cinema e a televisão são particularmente úteis para pensarmos este assunto. Será uma série ou um filme mais realista por incluir cenas de nudez e conteúdo sexual? Uma coisa parece-me clara: o tipo de nudez não é irrelevante, a forma como essa nudez é apresentada importa. Aqui, gostaria de referir os casos interessantes de três séries históricas ou épicas, três séries que acompanhei ou acompanho e que apresentam percursos idênticos ao nível da nudez: The Tudors, The Borgias e Game of Thrones. Todas começaram com uma grande carga de nudez feminina e todas, temporada após temporada, tiveram essa componente extremamente reduzida. A mim, esta evolução diz que estamos perante séries que os criadores tentaram tornar apelativas através de um fator óbvio de atração para o público masculino - a nudez feminina. Tendo, com o avançar do enredo e a conquista do público, deixado de precisar desse artifício, abandonaram-o, ganhando tempo extra em cada episódio para dedicar ao desenvolvimento da história. 


Embora em alguns casos as motivações sejam mais difusas, é normalmente possível identificar quando um filme ou série apresenta nudez pela busca do realismo e quando esse uso é fetichizante. Em filmes indie e em cinema de autor - e, regra geral, nas criações que têm o foco principal na arte e não no entretenimento - a nudez é comum. Mas é uma nudez real, não objetificada, não estilizada, e a nudez feminina e masculina é apresentada por igual. Em meios mais mainstream, a realidade é outra. A nudez é quase sempre feminina, muito coreografada, muito pensada para agradar ao olhar masculino. Por vezes, quem é avesso à objetificação do corpo feminino no grande e pequeno ecrã argumenta que é aceitável caso seja com o objetivo de avançar a história ou desenvolver a personagem (aqui, o contraponto é com a nudez gratuita, que é alheia ao enredo e não tem outro objetivo senão cativar o espectador). Na verdade, não acho que esse seja um requisito essencial: se uma cena de nudez (que pode ou não ser uma cena de sexo)  é feita de forma realista e trata de igual modo os corpos de todos os intervenientes, independentemente do género, então não acho problemático. E o espectador atento a estas questões consegue distinguir os dois tipos de exposição. 


Se publicarem no Facebook imagens de duas mulheres com mamas à mostra, uma indígena e uma ocidental, é certo que a segunda imagem será removida como conteúdo impróprio, enquanto a primeira é considerada inócua. Isto mostra simultaneamente que o paradoxo existe e que a fetichização do nu feminino não é natural nem universal - na verdade, as mulheres "indígenas" riem-se quando sabem do fascínio do homem ocidental por mamas. O problema não é a nudez per se - é a objetificação do corpo feminino. A exposição fetichizada do nu feminino nada faz para desmistificar a nudez e torná-la algo inócuo - pelo contrário, contribui diretamente para a objetificação da mulher, apresentada como objeto passivo de contemplação... e só a desconstrução dessa objetificação, a apresentação do corpo feminino como outras coisas que não um objeto de desejo, pode normalizar a nudez.

22 comentários

  1. Andamos em sintonia, já que ainda hoje pensava no tema. Não tenho filhos, caso os tenha um dia farei de tudo para dar mama, mas conhecendo-me como me conheço, sei que preferiria fazê-lo de forma reservada, mas porque eu sou reservada com o corpo, sem exageros, claro. Ainda assim, sou completamente a favor de que cada mulher deve fazer como se sentir melhor, sem julgamentos ou preconceitos, já que dar de mamar é algo do mais natural que há.

    ResponderEliminar
  2. Concordo contigo. Existe uma teoria sobre o facto de os homens adorarem mamas e que está relacionado com os momentos da primeira infância (curiosamente relacionados com o colinho e a amamentação). Nunca tinha pensado nas cenas de nudez como forma de cativar os espectadores, sempre por achar que representava a época. Quanto à amamentaçao se algum dia tiver filhos e se tiver de amamenta-lo em publico, irei faze-lo, sem qualquer pudor. Tanta polemica que ha sobre o assunto, mas ninguem reclama quando certas mulheres usam a nudez ou as poses provocativas para conseguir subir na carreira
    Por onde anda a Sofia?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O argumento da representação da época é muito usado, mas honestamente não o percebo. Mas as pessoas não tiveram relações sexuais em todas as épocas históricas? :P

      Eliminar
  3. Concordo contigo. Acho que as cenas de nudez não têm mal nenhum, é algo natural. O problema é mesmo quando objetificam o corpo de uma mulher, como se fossêmos bonecas feitas só para agradar aos homens. Se querem fazer cenas de sexo, façam-nas de maneira realista, mas claro que não é isso que os realizadores querem, porque não vende tanto.
    Quanto à amamentação em público, não vejo problema nenhum, acho estúpido haver esse preconceito, se a criança tem fome, a mãe tem todo direito de alimentar, esteja onde estiver.
    Beijinhos,
    Cherry
    Blog: Life of Cherry

    ResponderEliminar
  4. De acordo, não vejo mal, é óbvio que há limites e limites, mas de uma forma geral, não vejo mal nenhum.

    ResponderEliminar
  5. Concordo contigo, não há motivo para a objetificação do corpo feminino. No entanto, não acho que uma mulher que faça uma sessão nua, o faça puramente para agradar ao público-alvo masculino. (na verdade, acho que já tivemos esta 'discussão' aqui nos comentários numa publicação mais antiga tua em que esclareci melhor este meu ponto de vista :) )

    Nunca tinha pensado nisso das séries terem mais nudez inicialmente, mas de facto tens razão. O que me parece bastante ridículo, afinal há praticamente tantos homens como mulheres a ver essas séries, mas enfim. E realmente no meio mainstream a nudez é muito mais estética, as diferenças são a olhos vistos.
    Não consigo concordar com a censura de uma mãe que amamenta o filho em público ou que faz topless na praia. Não só é um pouco ignorante, como também ridiculamente hipócrita. É nada mais nada menos do que a natureza. E mamas são mamas, ponto! Não há nada demais nisso, o que me leva à questão da censura dos mamilos femininos.
    Há uns tempos até estava a ver um programa sobre cirurgia estética e estavam a colocar implantes no peito, mas o mamilo estava censurado. Conclusão: não se conseguia ver absolutamente nada da cirurgia em si e programa perdeu logo o interesse para mim. E não consegui encontrar lógica nenhuma nisso. Já estava na horinha de mudar isso também.
    xx, Ana

    The Insomniac Owl Blog

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, já falámos sobre isso num outro post :)
      Eu fiquei sensível para esse tema quando fiz um trabalho - um portefólio - para uma unidade curricular relacionada com Imagem. Passaram-me pelos olhos muitas produções fotográficas, da indústria da moda, anúncios comerciais e revistas masculinas. E face a algumas produções (imagina uma mulher integralmente nua, sentada com as pernas abertas, uma mão numa mama, etc etc) é-me difícil crer que aquela mulher, caso tivesse escolha sobre o processo criativo, faria aquelas poses e aquelas expressões. Não estou a falar de nu artístico, estou a falar de imagens que a mim me parecem 100% fabricadas para o olhar masculino.

      E sim, também não percebo todo o drama em torno dos mamilos. Só pus duas estrelinhas na imagem por medo que o blog passe a ser sinalizado por conteúdos impróprios :P

      Eliminar
  6. Começa logo que a nudez não tem nada de mal, pelo contrário, é algo natural, assim como sexo...a exploração que se faz à volta disso é que já é outro assunto e dava "pano para mangas", mas sem dúvida que consordo contigo.
    Beijinhos.

    misscokette.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  7. É um tema que dá muito para falar, eu vejo a série Game of Thrones e não me incomoda o facto de haver cenas de nudez porque a série é isso mesmo, é "pura e dura" mostra o que tem a mostrar sem preconceitos. Hoje em dia as coisas parecem estar "um pouco" mais banalizadas e ainda não cheguei a perceber se é bom ou mau, mas gostei das tuas palavras :)
    with love, KATE ❤

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A primeiras temporadas incomodaram-me. Porque não era uma nudez natural, eram personagens femininas a mostrar as mamas aos espectadores. Pareciam ser cenas construídas sobre a vontade de agradar ao público masculino, e passava-me a ideia de que aquela série não era para mim, que eu não fazia parte do público pretendido.

      Eliminar
  8. Nunca tinha reflectido sobre esta questão com maior pormenor. Considero a nudez algo natural, contudo, tal como dizes, a forma como esta é apresentada e abordada conta.

    ------------------

    O blog da Polegarzinha

    ResponderEliminar
  9. A nudez feminina "vende" sempre muito bem.
    O truque já é velho.

    ResponderEliminar
  10. Acho que nem é só a nudez em si que vende, mas sim as cenas mais sexuais. Mas concordo com tudo o que dizes. Pessoalmente acho que, na maior parte das séries e filmes que vejo/vi, a nudez foi usada como forma de cativar o público e não de forma natural. Ainda assim, noto que existe uma tendência a abarcar todos os géneros em algumas séries, como é o caso de How to get away with murder. Existe um casal de gays e passam a vida a tirar-lhes a roupa ou a passar cenas de cariz sexual com os dois; já com mulheres tem sido mais raro. Penso que a ideia é tornar a nudez normativa, tanto para o sexo feminino como para o masculino; tentar mostrar que o corpo masculino também pode ser mostrado e isso ter interesse para o público. Seja como for, na maior parte das vezes acho muito desnecessário. Um bom argumento é sempre melhor do que um bom par de mamas :) ahaha

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não vejo How to get away with murder, mas em Game of Thrones começou a haver também uma preocupação em mostrar outra nudez que não feminina - gays, homens nus em contexto não-sexual, etc. E isto não me incomoda, porque pode ser a visão dos produtores da série não excluir nudez (tal como chegaram a incluir uma cena com um personagem na sanita, por exemplo). Eu até posso não querer ver uma série que seja demasiado crua - não consigo ver Shameless por esse motivo - mas o que me preocupa é a fetichização do corpo feminino e, por conseguinte, a objetificação das mulheres.

      Eliminar
  11. Olá, estou a tentar divulgar o meu blog porque simplesmente não há outra forma de o fazer. Muitos me conhecem por antigos blogs que aqui tive, portanto se puderem me seguir e quem sabe até gostar do que eu escrevo, agradeço imenso <3
    http://lino-miichiyo.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  12. Percebo tão bem esse teu paradoxo... adorei o texto. Estou a gostar cada vez mais do teu blogue :) Tenho andado caladinha, mas tenho lido todos os posts.

    http://entreosmeusdias.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico tão contente, Marisa :)
      Como disse a alguém num outro post, este tipo de feedback é especialmente bem-vindo agora que ando um bocadinho menos presente aqui.

      Beijinhos :)

      Eliminar
  13. Eu sou agora é que comecei a ver Game of Thrones, por isso não posos comentar muito embora até pensei que a "quantidade" de nudez fosse ser muito mais do que aquilo que vi até agora, mas não posso deixar de concordar com o que disseste sobre os Tudors, porque realmente nota-se mesmo isso ao logo do percurso da série. Por acaso nunca tinha pensado nesse pormenor, mas é bem verdade.

    Honestamente, no dia-a-dia dispenso ver mais do que o necessário. Lembro de algumas cenas de, raparigas neste caso, ficarem todas excitadas por existirem fotos de celebridades em que quase se vê as partes íntimas deles, mas para mim isso sempre foi "too much information". Contudo, como bem disseste, a nudez é das coisas mais naturais que existem, e isso devia ser bem mais do que aceite pela sociedade na altura em que vivemos. Nunca percebi bem qual é o problema da amamentação em público, já que é algo completamente natural. Quase como aquele paradoxo de é ok verem-se mulheres de bikinis na praia (que muitas vezes são minúsculos), mas é um tabu ver-se uma mulher de roupa interior. Sou só eu que acho que é a mesmíssima coisa? O que valor que realmente se dá a umas coisas e a outras não é uma coisa extraordinária.

    O meu parágrafo favorito deste texto é mesmo o último. Concordo com todas as palavras e vírgulas. Honestamente penso que são poucos os filmes que retratam a nudez como algo natural, como uma peça comum e natural da nossa essência. E até acho que, na grande maioria dos filmes, as cenas prolongas de nudez (e até sexo, nalguns casos) são completamente desnecessários. Não é que não sejam dois aspectos completamente naturais à nossa essência, mas quando passam para o lado da "objectificação" torna-se tudo absolutamente desnecessário. E que me desculpem, mas tem imensa piada quando homens protestam com o aumento da objectificação masculina... Só me dá vontade de dizer que é para verem aquilo que nós sofremos.

    ResponderEliminar
  14. O corpo feminino continua a ser encarado (e usado) como um objecto, o que é deveras triste e só demonstra o quão paupérrima de esírito continua a ser a nossa sociedade. Desde o dia em que vi uma mulher a repreender outra mulher por esta estar a amamentar o filho num espaço público que percebi o quão retardados nós estamos. Como é que alguém ainda 'sexualizar' um acto tão natural como alimentar uma criança?

    ResponderEliminar
  15. Acho o corpo feminino uma algo de outro mundo, e não vejo nada de sexual ou algum pudor em ver um corpo nu, muito pelo contrario acho lindíssimo...
    Já segui o blog gostei imenso no post

    Beijinhos,
    www.kiza.pt

    ResponderEliminar
  16. Adorei o teu texto, é o retrato literal do que se passa no mundo.
    Beijinho, Kati

    ossegredosdakati.blogspot.com

    ResponderEliminar
  17. Na série Shameless também se mostram seios e corpos nus, mas parece natural. Por exemplo, as personagens estão-se a despir e a vestir, e não há aqueles ângulos estratégicos que por vezes acontecem para se esconder quase tudo. O que me acontece, confesso, é ter alguma curiosidade sobre como são algumas celebridades nuas, mas algo do género primitivo e controlável. Penso que seja discriminação censurar seios em qualquer lado, porque os homens têm o direito de andar de tronco nu sem o mesmo tipo de atenção que as mulheres. Por outro lado, esse tipo de exposição nas mulheres é encarado de forma diferente por razões, algumas delas, inexplicáveis. Ambos os géneros têm mamilos. Os das mulheres até têm um propósito nobre. Por isso qual o problema? Gostei da questão que levantas com este post.

    ResponderEliminar

© Kill Your Barbies. Design by Fearne.