Cool no trabalho

Se tiver que definir a característica que mais valorizo na roupa que escolho, direi que tem que ser cool. Se é verdade que gosto de roupa desde sempre (vá, sempre é um exagero - diria que a partir dos 13-14 anos), também o é que passei por várias fases. Já quis ser gótica, beta e já tive um estilo muito girly (lembram-se de uma fase, não há muito tempo, em que tudo era renda em todas as lojas de todo o mundo?) que hoje acho enfadonho. Deixei de gostar de um visual mais certinho quando conheci o AmberHella. É o único blog de moda que acompanho consistentemente por ter um fator que, para mim, o diferencia dos demais: não ficamos com a sensação de que estamos a ver um editorial de moda, uma coisa super pensada e artificial - estamos a ver uma pessoa que veste a roupa e a torna sua, não uma montra. Isto, juntamente com a saída da fase adolescente, teve um impacto enorme na forma como encaro a roupa. Tenho hoje uma maior noção do que me fica bem e não me farto das peças com tanta facilidade. 


Ora é aborrecido que, sentindo-me mais confiante que nunca na minha segunda pele, tenha esbarrado numa nova dúvida - será que posso usar exatamente as mesmas coisas que uso agora quando começar a trabalhar? Sou uma pessoa inconformada com imposições desnecessárias e esta é mais uma: não reconheço a mínima legitimidade nos dress codes. A competência e o profissionalismo não estão espelhados na roupa que usamos, que, tal como piercings e tatuagens, é tão-só uma forma de expressão individual. Eu gosto da diferença, não da uniformização (os pequenos exércitos de soldadinhos do fato e gravata, que podem ser avistados à hora de almoço em zonas como o Saldanha, povoam os meus pesadelos). Dito isto, uma pessoa precisa de trabalhar para viver, e precisa de se submeter, na medida do aceitável, àquilo que dita o dress code do local de trabalho. O desafio é fazer isto sem anularmos o nosso estilo pessoal, nos casos em que tal é possível. Depois de pensar um bocadinho sobre os do's and don'ts (e acreditem que não foi nada fácil) julgo que consegui apanhar o jeito à coisa e estou confiante de que vou conseguir transportar a essência do meu estilo para um ambiente mais profissional. O segredo está, como sempre, no corte das peças - uma camisa oversized em vez de uma normal e uns jeans cropped no lugar de uns regulares são um bom exemplo de como pequenos detalhes de design alteram totalmente o espírito de uma peça. E sim, estou a atravessar uma pronunciada fixação por mochilas. Não liguem.


Camisa oversize (semelhante) Zara
Jeans cropped Zara

Choker ASOS
Mochila New Look na ASOS
Mules ASOS

Macacão Zara
Mochila Zara
Óculos de Sol Marc by Marc Jacobs na ASOS
Sandálias Stradivarius


Mini-saia Zara
Body Zara
Óculos de sol Hawkers
Mochila Zara
Sandálias Topshop



 Qual o vosso favorito? Como lidaram com o desafio de adaptar o vosso estilo pessoal ao local de trabalho? 

31 comentários

  1. ADORO isto, mulher! Concordo a 100% contigo, em tudo. O que faz com que, embora não tenha um dress code definido para o meu trabalho, claro que evito algumas coisas que sei que não são muito "adequadas". Isso e saias curtas, porque infelizmente na minha área ainda há tendência para muitos homens mais velhos terem a sensibilidade e a inteligência de uma batata. Em todo o caso, usava os dois primeiros conjuntos sem mudar nada - cool, profissional, e com estilo. Não temos que nos conformar aos jeans escuros e blusas e camisas arranjadinhas (que foi o que eu fiz no início e ia morrendo de tédio ahah).

    Jiji

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aii, isso das mini-saias chateia-me mesmo. Nunca senti isso em contexto profissional porque até agora só tive trabalhos pontuais e meio alternativos, mas sei bem o que é não vestir o que quero para ter menor chance de ser incomodada. Bah!

      Eliminar
  2. Adoro a camisa e os jeans. E do segundo conjunto, adoro as sandálias e os óculos. Mas é tudo giro, giro! :)

    ResponderEliminar
  3. Então, isso é uma questão com muitas ramificações.... Eu tive de ter mais cuidado com os decotes e as pernas à mostra, mas com o tempo, eu própria mudei a minha forma de vestir. Já eu adoro ver as ruas cheias de senhores de fato. ADORO! E até já comentei por aqui que preferia ter um uniforme, sempre demorava menos tempo a sair de casa. Para o meu tipo de trabalho, o último look é totalmente inapropriado, mas os outros estão muito bem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu não tenho nada contra homens de fato, é-me indiferente o que cada pessoa usa individualmente. Estava a falar da imposição do fato em certos trabalhos, que muitos homens certamente não usariam se não fosse regra.

      Eliminar
  4. Gosto imenso da selecção mas aquela camisa é amor.
    Acho que é possível ter um look muito cool e profissional ao mesmo tempo, bastar ter cuidado com algumas "regras" que o código de vestir no trabalho nos impõe e depois é brincar =)

    ResponderEliminar
  5. Adorei o segundo look :) Eu basicamente uso o que bem me apetece, tenho só cuidado com algumas coisas, mas quase nada. Eu tenho essencialmente duas fases, ora uso roupa super confortável e descontraída, ora me apetece arranjar um bocadinho mais. Mas a primeira fase acontece mais frequentemente :P

    http://entreosmeusdias.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu começo a trabalhar em setembro e acho que também não há dress code, mas pelos vistos há algumas regras silenciosas na maioria dos ambientes de trabalho, tipo "não usar tops off-shoulders", por isso achei melhor começar a pensar no assunto :P

      Eliminar
  6. Adoro o segundo (esse macacão e eu seríamos tão felizes juntos!!)
    Tal como tu, não consigo entender o porquê da mania do dress code...quer dizer, se calhar até percebo, mas não concordo, de todo. Continuo a defender que não é a roupa que uma pessoa veste que vai fazer dela pior ou melhor profissional, uma coisa não tem nada que ver com a outra mas, infelizmente, vivemos num mundinho em que esse parece ser o factor primordial, enfim... Feliz ou infelizmente, a minha profissão passa pelo uso de uma farda ou bata, o que acaba por nos facilitar a vida. No entanto, há sempre a questão das entrevistas de emprego, que vai dar ao mesmo. Sinceramente, nunca alterei o meu estilo para ir a uma entrevista. Uma vez, numa entrevista que iria ter, tiveram o descaramento de proibir as pessoas de levarem jeans. Escusado será dizer que não pus lá os pés pois o tempo da ditadura já lá vai (será?).
    (E homens de fato dão-me sempre vontade de bocejar!)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dá cá mais cinco! É mesmo isso: percebo, mas não concordo. E acho que foste uma badass do caraças por faltares a uma entrevista por causa dessas imposições tolinhas. Fazia o mesmo :)

      Eliminar
  7. Há homens que vestidos de fato ficam um charme. Basta entrar numa Massimo Dutti, por exemplo, para conferir isso mesmo. ,) Provavelmente porque muitos deles já são um charme, ahaha :D
    Gosto dos dois primeiros conjuntos e parecem-me adequados para trabalhar mas o último não me parece adequado para a generalidade dos ambientes de trabalho. É divertido, descontraído... e reduzido. Havendo homens(alguns), a partir de certa altura torna-se desconfortável (e sei do que falo). Por isso concordo com a Joana Sousa. Acrescento que é triste e revela falta de profissionalismo da parte deles :)
    Enfim, nem sempre o que faz sentido na teoria resulta na prática.
    Não me incomoda que haja algumas linhas de orientação no que toca ao que é apropriado ou não vestir em cada lugar. Por exemplo: eu não gostaria de ir ao banco (ctt, faculdade, etc) e ser atendida por alguém que estivesse a vestir uns calções tão curtos(mulher) ou tão abaixo da cintura(homem) que, ao se levantar e virar, me mostrasse o rabiosque; o mesmo vale para chinelos (tipo Havaianas) e outros que tais - muito apropriados para a praia, por exemplo.
    Até há umas décadas atrás havia regras mais rígidas. Ainda bem que já não é assim. Mas também acho que as pessoas já não questionam tanto o que é apropriado ou não para o local, atividade, hora, clima, etc... e acho que têm a perder. :)
    Acho que não há nada como conciliar o nosso gosto com as tais linhas de orientação. Assim, não deixamos de expressar quem somos mas com diferentes nuances e intensidades consoante o ambiente em causa. Até me parece mais divertido!
    Mas esta é a minha opinião :)

    Na semana passada vi "O homem que viu o infinito" no cinema. Achei curioso porque um dos professores ingleses comentou, a propósito da pobre indumentária do matemático indiano, que ninguém diria pela forma como este se vestia que ele era tão inteligente. Isto no início do século XX. Hoje em dia noto que há o oposto: um certo desdém(por parte de algumas pessoas) por quem se apruma, como se fosse sinónimo de falta de inteligência e muito tempo para aquilo que entendem ser uma futilidade :s Isto chateia-me um bocadinho (grande).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, é triste. Eu só tenho mini-saias, sei o que funciona no meu corpo e as saias mais compridas não me favorecem de forma alguma (a menos que seja um vestido comprido ou midi), e para mim usar uma mini-saia é tão natural como vestir calças de ganga... para teres uma ideia, no verão ando sempre assim ou de calções, passo meses sem vestir um par de jeans. No trabalho que vou começar tenho a certeza de que isso não será um problema e que não me sentirei desconfortável, mas bem sei que não é assim em todo o lado, e em outros contextos já deixei de usar uma mini-saia por me sentir mais segura de calças. É uma limitação que detesto.

      A mim não me faz confusão, de todo, ver alguém em qualquer trabalho com uns calções curtos ou chinelos tipo Havaianas. Podia ser atendida por um médico de chinelos. Juro, é-me indiferente.

      Concordo tanto com o teu último parágrafo! Eu gosto muito de roupa e fico sempre com a ideia de que, em certos ambientes, gostar de moda é visto de forma depreciativa. Até escrevi sobre isso aqui: http://www.killyourbarbies.com/2016/06/episodios-da-vida-de-uma-aspirante.html

      Eliminar
  8. Acho que há alguns dress codes demasiados restritos (tipo area empresarial), mas acho que tem de haver algumas regras (por assim dizer), porque há quem não tenha bom senso, principalmente se a profissao exige a interação com pessoas. Já cheguei ao cúmulo de ver uma colega minha com calções de ganga (tipo daqueles mesmo muito curtinhos que mal tapam as nadegas) e top justo e decotado nos corredores do hospital, de bata desabotoada. Tudo bem que um mau dress code não é sinonimo de incompetencia, mas em certas áreas uma pessoa que se veste como se fosse para a praia diz muito do seu profissionalismo e respeito para com os outros
    Por onde anda a Sofia?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Percebo que tenhas outro ponto de vista, mas como disse ali acima, pode-me aparecer um médico a calçar Havaianas que não penso no assunto durante mais que dois segundos. Para mim a roupa não diz nada acerca do profissionalismo.

      Eliminar
    2. Nao ha nenhum problema em usar havaianas no trabalho, o medico é que se arrisca a levar com fluidos em cima dos pés xD quando falei de vestir-se para a praia queria mesmo dizer os calcoes micro e as camisolas decotadas.. Existem limites caramba! xD

      Eliminar
  9. Há locais em que o dress code está bem implementado e até funciona bem, especialmente se for algum trabalho de atendimento ao público, embora se devêsse dar liberdade às pessoas para escolherem algo mais próprio. Uma pessoa vai a agências bancárias e afins e nunca consigo ver uma mulher de calças - é incrível como andam sempre de saia ou vestido. Não sei qual é o bicho de sete cabeças em relação a uma mulher usar calças. Mas depois há outros tantos trabalhos que, na minha opinião, não deviam ter qualquer dress code. Não é o facto de se ter uma camisa toda xpto que nos vai fazer trabalhar melhor. Enfim... E a questão de piercings e tatuagens é outra que tal. Felizmente, há áreas profissionais (muitas das quais no meu académico, mas simplesmente nas áreas de investigação mais "cool" diga-se) em que estas "regras" passam-lhes muito ao lado.

    Em relação aos conjuntos, são super giros. O primeiro é simplesmente lindo e o meu favorito. Adoro tudo nele, especialmente o calçado e a mala (junto-me ao clube que acho que também estou a passar por uma fase de excessiva obsessão por mochilas).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda não tinha reparado isso nos bancos - diga-se de passagem que também não passo lá muito tempo e só as vejo atrás dos balcões.

      O pessoal de design e de artes é que tem sorte, pá! Ninguém lhes diz que não podem usar isto ou aquilo.

      Eliminar
  10. Adorei os conjuntos!
    Também tenho pensado imenso neste assunto e acho que captaste bem a essência dos dress codes misturada com a originalidade :)

    Beijinhos, xx
    mylittlecorner7.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  11. Concordo plenamente contigo! Mas acho que a escolha do dress code deve-se muito ao tipo de trabalho também :)
    Gostei dos looks! As sandálias da Stradivarius são mesmo giras!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  12. Gosto muito do último. Eu tenho a sorte de não ter um dress code na minha profissão (tirando algumas excepções), apenas não me é permitido o uso de roupa que tenha estampada uma posição politica, escolha clubística, ou asneiras :) e vou escolhendo a roupa conforme o humor com que acordo. Mas acho que agora ando ali numa mistura de cool com chique, qualquer coisa assim... :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu acho que também não terei, mas há coisas que toda a gente me diz que são "proibidas" em quase todos os trabalhos.

      Eliminar
    2. Bem, vês nos primeiros dias como andam as outras meninas e logo decides. mas não te condiciones, não tens que ser igual à manada :)

      Eliminar
  13. Ai adoreii as sugestões dos looks! *.*

    Beijinhos
    http://diaryofalittlebee.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  14. Identifiquei-me muito contigo ahaha, também já passei um pouco por todos os estilos mas acho que finalmente encontrei o meu próprio.
    As sandálias prateadas são mesmo giras!
    Beijinhos,
    An Aesthetic Alien | Instagram

    ResponderEliminar
  15. Adorei os looks, são lindos e elegantes!
    A escolha da roupa depende muito do tipo de trabalho, né? precisa - se de atenção na hora de escolher.
    Já estou seguindo teu blog, é adorável! Poderia retribuir o carinho, seguindo o meu?
    Beijos
    http://palavrass-ao-vento.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  16. Usaria o primeiro conjunto, sem dúvida!
    Tal como tu, detesto ser submetida a um estilo que não é meu, mesmo quando existe aquela pressão e aquela "obsessão" pelos estilos que estão na moda. Gosto de sim de moda, e até posso apreciar muitos dos conjuntos que vejo e guardo, por exemplo, no Pinterest, mas quando o faço, penso logo em como é que eu poderia conjugar uma certa peça de um outfit com uma outra completamente diferente de outro outfit... E os resultados são sempre bastante agradáveis aos meus olhos (pelo menos no imaginário, eheheh).

    A Vida de Lyne

    ResponderEliminar
  17. Adorei os looks, também adoro quando me olho no espelho e acho o look mega cool! Sinto logo mais confiança!
    Adorei as peças das fotos

    >> http://joandcompanystyle.blogspot.pt/ <<

    ResponderEliminar
  18. Wow, adorei os looks, adorei as sugestões querida!
    Um beijo enorme e continuação de um bom trabalho aqui por este teu cantinho super querido.

    Blonde and Heels
    www.blondeandheels.com

    ResponderEliminar

© Kill Your Barbies. Design by Fearne.