Almost gone

O último dia de piscina porque esta fecha a meio do mês, a ameaça repentina de chuva e trovoada (oi? como?), a mudança de hora e a noite às cinco da tarde, o regresso forçado do cardio e do yoga depois de meses de "não dá, está muito calor", a malta de traje académico e, em breve, o enervante barulho da enervante praxe mesmo aqui ao lado. O verão está a dar as últimas (o verão mais verão dos últimos anos) e não há estação de qual goste menos que o outono - pelo menos no inverno há a promessa de uma primavera próxima. Valha-nos esta música dos The Doors.





22 comentários

  1. És uma alma do Verão mesmo :p eu confesso, não me importo muito com a mudança - que bem que me soube adormecer embalada pela chuva! Já tive a minha dose :p mas, oh, solidariedade! *Abracinho*

    Jiji

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro, também reconheço uma ou outra coisa boa no tempo frio. Essa da chuva na caminha é uma delas. Ainda assim... podia durar uma ou duas semanas que estavam as saudades mais que resolvidas :P

      Eliminar
  2. Eu sou toda Verão, mas gosto do Outono e das cores das folhas. Gosto de todas as estações, menos do Inverno :)

    ResponderEliminar
  3. Eu já gosto da mudança, adoro o outono, o 'vestir peças de roupa' :D As cores, as frutas e é sempre a minha reentré! :D
    Beijinhoo
    RITISSIMA BLOG

    ResponderEliminar
  4. Já não há paciência para as enervantes praxes, é o meu destaque neste post. Vão chamar-nos cinzentinhos, caretas e desmancha-prazeres (naquilo que a humilhação pode ter de prazenteira...), mas não quero saber. Abaixo com a praxe!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dá cá mais cinco! Caramba... entre desmancha-prazeres e participante de um sistema de humilhação, hierarquizado com base em pressupostos idiotas (tratar alguém por você e doutor só porque tem mais uma ou duas matriculas? mas quem é que se presta a isso?) e que contraria o próprio princípio daquilo que a universidade deveria representar... desmancha-prazeres chega a ser um elogio.

      (Já ouvi gente a dizer que a hierarquia da praxe prepara os estudantes para a realidade do mercado de trabalho. Lindo).

      Eliminar
  5. Ai...já tenho saudades do tempo fresco!

    ResponderEliminar
  6. Eu, como não tenho tantas estações do ano, só tenho duas (verão e cacimbo) mas que é sempre quente, só que uma é (muito) mais quente do que a outra, confesso, que de vez em quando tenho saudades do Outono, do Inverno... Mas se estou aí nessas alturas em dois dias fico farta e cheia cheia de frio!!
    Tens que te mudar para o hemisfério sul! :)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Inveja, muita inveja! Cá eu acho que não teria saudadinhas nenhumas do outono e do inverno... é incrível a maneira como o estado de tempo altera o meu humor. Hoje andei meio a dormir o dia todo...

      Eliminar
  7. Bem que ainda queria uns dias de Verão... Quero pensar no Outono como uma espécie de Primavera com um final invertido. Onde podemos aproveitar para passear e conhecer locais que estejam na rua e que no Verão também se torna muito quente para visitar. Quando menos esperarmos já é Verão outra vez :)

    ResponderEliminar
  8. Quem me dera ter mais dias de férias de verão!

    Beijinhos
    That Girl

    ResponderEliminar
  9. Tal como tu, detesto o Outono. É como dizes, ao menos no Inverno sabemos que a Primavera está ao virar da esquina haha.

    Ricardo, The Ghostly Walker.

    ResponderEliminar
  10. A estação de que gosto menos, é a TVI. lol

    ResponderEliminar
  11. O que não gosto mesmo nada é do anoitecer tão cedo... Mas gosto do Outono, de ver as folhas mudarem de cor, do chieirinho das castanhas assadas na rua de Santa Catarina, do fumo que sai das chaminés quando o frio começa a apertar...sim, gosto do Outono, associo esta estação a uma fase de reflexão, de serenidade e de paz interior!

    ResponderEliminar
  12. Gosto muito desta música!
    Fiquei interessada na tua opinião sobre a praxe, não vou dizer que és desmancha prazeres, até porque me dou bastante bem com muitas pessoas que contrariam esta tradição, porém, gostava e achava interessante que aprofundasses mais o assunto, apenas opinião, acho que me interessaria imenso ler essa publicação. Compreendo alguns argumentos contra, mas não posso dizer que a minha me tenha feito sentir inferior ou que em algum momento tenho sido tratada como um «cão», digamos assim.
    Quanto ao post e ao conteúdo deste, sou como tu Nádia. A meu ver, o inverno não existia não fosse pela natureza que precisa do frio, chuva e afins para sobreviver. Porque sou grande adepta do calor e não lido bem com roupas quentes, botas, gorros e coisas mais.
    Pode ser que passe rápido e que, sem darmos por ela, se comece logo a ver as florzinhas a abrir.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Joana! Também gosto muito da música :)

      Olha, eu ainda não escrevi nada sobre a praxe porque apesar de ser contra por princípio não me incomoda realmente, no sentido em que os participantes são maiores e não são forçados (embora em algumas universidades a pressão para participar se possa configurar como um certo tipo de coação). Posso alongar-me mais sobre isso, mas o que me incomoda fundamentalmente é a subalternização que é parte intrínseca da praxe. Para mim era impensável tratar alguém por você ou doutor, levar com gritos, ser chamada de besta, não o poder olhar nos olhos, etc. só por ter mais matrículas que eu, ou fazer qualquer coisa (e aqui não interessa se é rebolar na lama ou dar um passo em frente, é do princípio que discordo) devido a uma precedência arbitrária dessa pessoa sobre mim. Depois há coisas específicas que me incomodam, como a exploração de uma componente sexual tantas vezes presente: as simulações de atos sexuais, os nomes com conotação sexual, etc. Mas independentemente de ser uma praxe leve ou pesada, discordo do princípio. Universidade é, para mim, sinónimo de aprender a pensar, e a pensar livremente. Fazer coisas com base numa hierarquia sem fundamento desrespeita, para mim, esta fundação essencial.

      Eliminar
    2. É complicado arranjar uma música deles que não gostemos. :)

      Acho mesmo que devias alongar-te no assunto posteriormente. Deves ser das pessoas que tem uma opinião contra melhor fundamentada. Não posso deixar de discordar contigo, devido, apenas, à minha experiência pessoal, uma vez que nunca tive de olhar para o chão ou fazer algo que me deixasse pouco à vontade. Porém, observei e presenciei algumas situações no mínimo desumanas. Como tu, não me agrada a conotação sexual que muitos praxantes aliam à tradição, acho que nada tem a ver com integração (sublinho aqui que tinha o à vontade, durante a praxe, de negar a realização de determinada actividade caso esta fosse contra as minhas crenças!!).
      Para mim, Universidade também significa aprender a pensar, a tomar decisões, crescer. Por isso, não sinto que participar na praxe anule essa aprendizagem.

      Eliminar
    3. É como te disse - poderei fazê-lo, mas não terei muito a acrescentar para além do que te disse aqui. Porque o meu problema em relação à praxe é só um, por ser um de princípio: é a própria instituição da praxe de que discordo, da sua organização vertical e estrutura de obediência. Isto é algo que vai contra as minhas crenças, mas também contra a minha personalidade: bastava um marmanjo ou marmanja mandar-me encher cinco flexões para lhe dizer "faz tu" e voltar costas. Não lhes reconheço essa autoridade, percebes? A questão do tipo de praxe, se é mais leve ou mais pesada, mais ou menos desrespeitosa, acaba por ser secundária - eu não faria nenhuma. Mas claro, não posso deixar de reparar (até porque assisti a algumas coisas no campus da minha universidade, até toda a atividade da praxe ser proibida lá) em detalhes como a exacerbação da sexualidade. O grito da minha universidade, por exemplo, é "ISCTE, ISCTE, conas abertas e caralhos em pé". Isto, para mim, é degradante.

      Eliminar
  13. Este Verão vai definitivamente deixar saudades, mas pronto, estou a tentar concentrar-me nas coisas boas: passar alguns fins-de-dias a ver televisão com um cobertor, dormir com a chuva a bater nas janelas (vou fingir que não penso na parte de acordar com a chuva a bater nas janelas :P), comer coisas reconfortantes como sopa e papas de aveia, não morrer de calor ao fazer exercício,... O Inverno até tem as suas coisas boas :P
    Essa música é maravilhosa, adoro a banda :)

    ResponderEliminar
  14. O lado positivo de acabar o verão, é que podemos estar em casa cheia de cobertores, a beber chocolate quente e a ver séries (eu pelo menos adoro) mas claro que fico triste que esteja a acabar porque é sinal que temos de voltar aos estudos! Desejo-te boa sorte e que tudo te corra bem :)
    Beijinhos <3

    www.losingmamind.blogspot.pt

    ResponderEliminar

© Kill Your Barbies. Design by Fearne.