Obrigada, 2017



Ao contrário de muitas pessoas, não vejo as resoluções de ano novo como aquela tradição que pretende marcar o início de um novo ciclo mas que nunca sai do papel. Pelo contrário, funciono bem por objetivos e tenho sempre metas a curto e a médio prazo (que o longo prazo fica muito longe e não tenho tanto controlo sobre a minha vida, principalmente profissional, que me permita traçar planos num futuro distante). Por outro lado, torço um bocado o nariz às recapitulações do ano que passou, porque acho que as fases não se delimitam com o fecho de um ano civil. No meu caso, será em meados de 2018 que fecharei a fase atual. Mas é sempre bom pensarmos no que atingimos, portanto fica aqui para a posteridade (ou para ler naqueles dias de depressão) e em ordem cronológica um apanhado das conquistas e principais momentos de 2017, que foi um dos melhores anos de sempre. 


Fui feliz no amor (mas continuei com azar ao jogo): No final de 2016, deixei-lhe um papel com o meu e-mail (porque achei que o número de telemóvel era muito pessoal, ahah) no lugar onde estava sentado na biblioteca. Ele respondeu meia hora depois e o resto, as they say, é história.


Voltei ao Algarve pela primeira vez em anos: E tomei os melhores banhos de mar do ano. Fui em trabalho, mas aproveitei todas as horas livres para me enfiar dentro de água (na piscina do hotel ou na praia) e para passear no centro histórico de Lagos. Pelo meio resgatei uma gaivota que tinha sido atropelada e, apesar de não saber o que lhe aconteceu depois de a deixar junto das entidades competentes, espero que ande por aí a voar, feliz da vida.


Viajei (também pela primeira vez em anos): E planeei uma viajem pela primeiríssima vez. Fomos só ali a Barcelona, onde já tinha estado, mas gostei de descobrir que consigo planear uma viagem no princípio ao fim, permanecer dentro do budget, fazer tudo o que planeei e não me perder. O mérito desta última conquista vai para o GPS (a melhor invenção depois das lentes de contacto e o meu amigo de todas as horas), mas as outras ninguém me tira.


Domei a minha hipocondria: Fui a diferentes médicos, fiz toda a espécie de análises e exames, e no fundo, tomei controlo sobre a minha saúde. Estamos todos carecas de saber que devemos fazer exames de rotina anualmente, de forma permitir aos médicos a deteção precoce de uma eventual doença, mas eu acho sempre que vou ser aquele caso da pessoa que descobre que está doente e é informada que só tem duas horas de vida e, se é assim, prefiro nem saber. Por ter perfeita noção de que é um pensamento irracional, esforcei-me para ultrapassar esta paranóia e prometo, a partir de agora, ir ao médico anualmente.


Fui buscar um nariz novo: Já falei tanto sobre isto ao ponto de quase esgotar o assunto, mas é o exemplo daquela coisa que sabemos que faremos um dia, apesar de toda a gente duvidar. Foi uma das melhores decisões que tomei e um processo super tranquilo. Não doeu (literalmente) e teve um impacto infinitamente positivo na minha autoimagem. 


Explorei uma cidade portuguesa: Três semanas depois da cirurgia, e ainda de olhos negros, fui passar uns dias a Évora. Pequenina, mas com boa comida vegetariana, e alguns pontos de atração histórica (com destaque para a Sé de Évora). Comi muito, descansei mais e ainda aproveitei a Black Friday. 


Ganhei uma bolsa de mérito académico: No último mês do ano, fui informada de que fui a melhor aluna do meu curso (no caso, mestrado) no ano letivo de 2013/2014 e de que, como prémio, receberia uma bolsa de mérito. Sim, foi uma atribuição tardia, mas chegou como mais uma recompensa por toda a dedicação e todas as horas ganhas (nunca perdidas) a trabalhar na minha dissertação. 


Comprei bilhete para o concerto do Bob Dylan em 2018: Sejamos honestos - o senhor já tem uma certa idade, não tarda nada só vai querer sopas e mantas, de forma que não sabemos se voltará a Portugal. Eu acho-o um verdadeiro génio e decidi não deixar escapar a oportunidade, apesar de ninguém se ter voluntariado para me acompanhar e temer ser atropelada por um multidão em histerismo.


Escrevi dois capítulos de livro e um artigo científico: Não é muito divertido, mas são provas tangíveis do meu trabalho e que servem para, aos poucos, enriquecer o meu CV. Quem trabalha no meio académico sabe que este artigo só deverá ver a luz do dia, numa publicação, lá para o final de 2018, mas é ainda assim uma conquista do ano que passou.


Passei um ano no mesmo trabalho: Antes de setembro de 2016 só tinha tido trabalhos temporários de entre dois a três meses. Apesar de, também agora, estar com contrato a termo certo, no final terei passado pouco menos de dois anos a trabalhar no mesmo projeto. O meu contrato termina em meados do ano e a incerteza acerca do futuro já me começou a tirar o sono. Se tudo descambar a partir daqui, terei sempre este post a lembrar-me que 2017 foi um ano do caraças. 


E o vocês? Conseguiram cumprir as metas que se propuseram em 2017? Espero que o vosso ano tenha sido, no mínimo, tão feliz como o meu. 💙

27 comentários

  1. Foi realmente um ano cheio de vitórias, claramente. Posso dizer-te que quase senti a tua gratidão nas tuas palavras e gostei imenso do facto de dares importância a todos os momentos. Inclusive, fizeste-me repensar as pragas que lancei a 2017 - talvez o meu ano não tenha sido assim tão mau afinal :)

    ResponderEliminar
  2. Seja como for o futuro, parece que 2017 foi do caraças :) e que bom que isso é! Não sou muito dada nem a objectivos a longo prazo nem a revisões, como tu, mas lá que nos faz bem, faz. Nem que seja como exercício de gratidão que, por muito cliché que seja, é necessário e benéfico. Bom 2018!

    Jiji

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É isso mesmo. Pode descambar tudo daqui para a frente, mas 2017 ninguém me tira, ahah!
      Beijinhos e bom ano.

      Eliminar
  3. É mesmo a tua cara teres deixado o email à pessoa pela qual te interessaste, é tão tu que estou aqui a sorrir feita boba, de qualquer forma, fico mesmo feliz que estejas tão bem com ele.
    Além disso, parece-me que 2017 foi um ano extremamente importante no que toca à tua saúde e bem-estar físico, deixa uma esperança nos nossos corações muito interessante.
    Quanto à bolsa de mérito: PARABÉNS! Sei qual é a sensação e, de facto, é maravilhoso sermos recompensadas pelo trabalho que temos e dedicação que colocamos nos projectos em que nos envolvemos.
    Eu arriscaria dizer para não te preocupares demasiado com o teu futuro, estás a sair-te mesmo muito bem, algo me diz que não terá dificuldade em arranjar outro emprego se assim tiver de ser.
    Beijo enorme, Nádia, que 2018 seja um ano com o dobro dos sucessos, felicidade ao quadrado e amor exponencial <3

    ResponderEliminar
  4. Que este ano seja ainda melhor.
    Um beijinho grande*
    Vinte e Muitos

    ResponderEliminar
  5. Tão bom ler que tiveste um ano fantástico! Espero que 2018 seja 90x melhor! x

    E. ♥ Meet me for Breakfast

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é preciso que seja melhor, basta que não seja pior :P

      Eliminar
  6. E sempre bom quando tudo que queremos vai acontecendo
    espero que este novo ano te traga só coisas boas
    Beijinhos
    Novo post ( Unhas Decoradas ) // CantinhoDaSofia /Facebook /Intagram
    Tem post novos todos os dias

    ResponderEliminar
  7. Olá, Nádia :) Espero que 2018 te trate imensamente bem!
    A única coisa que ficou a faltar nos teus posts sobre a tua cirurgia foi a referência aos custos totais, que pode ser um fator importante para nos ajudar a avaliar uma decisão dessas aqui deste lado :) Obrigada!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Ana! Obrigada e um bom ano também para ti :)

      Tens razão, pensava que tinha referido o custo e também acho importante dar uma noção do intervalo de preços, mesmo que varie e dependa de vários fatores (por exemplo, se há desvio de septo o seguro pode cobrir parte da cirurgia). Eu paguei €4000 pela operação e tudo o que envolve, incluindo uma noite de internamento e as refeições. No meu caso, como não tenho seguro de saúde, todas as consultas foram pagas à parte, mas sei que há cirurgiões e clínicas que oferecem as consultas.

      Espero ter ajudado :)

      Eliminar
  8. Just to say I LOVE YOU*
    ...acho que vai aparecer Maria Inês mas é só a tua velha tia infoexcluída ;)

    ResponderEliminar
  9. Mas que ano! Só vitórias Nádia!
    Que 2018 te corra ainda melhor :)
    xx, Ana

    The Insomniac Owl Blog

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, querida! Um ótimo ano para ti :)

      Eliminar
  10. https://lifeofcherryblog.blogspot.pt/2018/01/eu-adoro-animais-mas-nao-sou.html?m=1

    Nádia, adorava ler a tua opinião sobre este post!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pela sugestão! Já li por alto e vou responder em post :)

      Eliminar
  11. Sou como tu: funciono melhor quando tenho objetivos traçados. Adoro chegar ao fim do ano e fazer o balanço, adoro criar novas metas.

    Vejo que o teu ano correu bem, não tenho dúvidas que será igualmente bom em 2018. Bom ano!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Completamente! Se não traçarmos objetivos não passam de ideias e desejos.

      Bom 2018!

      Eliminar
  12. Que ano maravilhoso! Que 2018 continue a sorrir-te!

    ResponderEliminar
  13. Bem o teu ano foi bastante positivo! Achei super adorável a parte do encontro do amor na biblioteca, através de um bilhete!
    Gostei de conhecer o teu blog também, já sou seguidora :)

    She Walks Blog

    ResponderEliminar
  14. Texto inteligente!
    www.walking-spirit.com

    ResponderEliminar

© Kill Your Barbies. Design by Fearne.